The link was sent to your email.

We were unable send the link to your email. Please check your email.

Missing captcha code. Please check whether your browser is not blocking reCAPTCHA.

Invalid captcha code. Please try again.

Online Help

GEO5

Tree
Settings
Product:
Program:
Language:

Argila Hipostática

A argila hipóstática é aplicada para a modelação de solos moles de graduação fina. De forma semelhante a todos os outros modelos granulares, este modelo pertence à família dos modelos fenomenológicos normais. Quanto à descrição da resposta do solo, pertence ao grupo dos modelos de estado crítico (Cam clay, Cam clay generalizado). No entanto, este modelo considera a resposta não linear dos solos, durante o carregamento e o relaxamento. Em comparação com outros modelos baseados na teoria da plasticidade, apenas é possível calcular deformações totais. Não existe diferenciamento entre deformações elásticas e plásticas. A indicação do tipo e localização da potencial rotura, que em outros modelos é dada pela definição da deformação plástica equivalente de desvio, pode ser representada pela distribuição do ângulo de atrito interno mobilizado, no caso da argila hipostática.

Ao descrever a resposta do solo, o modelo permite refletir uma rigidez diferente para o carregamento e para o relaxamento, suaviazação ou endurecimento consoante a compactação do solo e variação de volume em cisalhamento (dilatação, compressão). A rigidez depende da direção da carga, e do estado do solo dado pela sua porosidade. Ao contrário dos modelos de Cam clay, a tensão de tração do solo é estritamente excluída (ver Figura 1a).

Figura 1: Fronteira do estado do moldo hipoplástico - (a) comparação com a superfície de cedência do modelo de Cam clay no modelo meridiano, (b) comparação com a superfície de cedência do modelo de Mohr-Coulomb no plano de desvio

No caso do modelo hipoplástico, a superfície de cedência é substituída pela superfície de estado de fronteira. A sua projeção no plano de desvio é semelhante ao modelo (ver Figura 1b). A lei de fluxo não está associada, resultando numa matriz de rigidez assimétrica (comparar com o modelo de Mohr-Coulomb, por exemplo, quando se verificarem valores diferentes para o ângulo de atrito interno φ e para o ângulo de dilatação ψ). Podem ser encontrados detalhes acerca da formulação do modelo em [1].

Parâmetros do modelo

A variação do modelo implica a introdução de cinco parâmetros materiais:

  • Ângulo de atrito interno a volume constante (ângulo de atrito interno crítico) φcv
  • Inclinação da linha de dilatação κ*
  • Inclinação da linha de consolidação normal (NCL - linha de consolidação normal) λ*
  • Origem da linha de consolidação normal N
  • Rácio dos módulos unitário e de cisalhamento r

Os parâmetros κ*, λ* e N determinam um diagrama bilinear de consolidação isotrópica, numa escala log-log (ver Figura 2a). Se os parâmetros do modelo bilinear de Cam clay (numa escala semi-logaritmica, Figura 2b) estiverem disponíveis, é possível introduzi-los e são utilizados pelo programa para calcular os parâmetros do modelo hipoplástico. Os parâmetros do modelo bilinear de Cam clay são:

  • Inclinação da linha de dilatação κ (escala semi-logaritmica)
  • Inclinação da linha de consolidação normal λ (escala semi-logaritmica)
  • Índice de vazios emax para consolidação normal isotrópica com pressão de 1kPa

Figura 2: Diagrama bilinear de consolidação isotrópica - (a) Argila hipostática, (b) Modelo cam clay

Ângulo de atrito interno crítico φcv

  • Idêntico para a amostra original (não distribuído) e reconstituída após consolidação consequente
  • Pode ser determinado a partir de ensaios triaxias com diferentes aplicações de pressões nas células de uma amostra reconstituída
  • Ensaio pode ser realizado em condições drenadas ou não drenadas (mais rápido)
  • Os valores mais comuns estão compreendidos entre 18° - 35°

Inclinação da linha de consolidação normal λ*

  • É determinada graficamente, a partir do trecho de carregamento do ensaio de edométrico ou de consolidação isotrópica (ver Figura 3)
  • Para argilas rígidas, é preferível realizar o ensaio numa amostra reconstituída
  • Os valores mais comuns estão compreendidos entre 0.04 - 0.15

Figura 3: Simulação do ensaio edométrico através do modelo hipoplástico

Inclinação da linha de dilatação κ*

  • Pode ser determinada graficamente, de forma semelhante à do parâmetro λ*, ou através de um estudo paramétrico - comparando medições de simulações ao longo do trecho de relaxamento de ensaios edométricos ou de consolidação isotrópica (ver Figura 3)
  • Os valores mais comuns de κ estão compreendidos entre 0.01 - 0.02
  • O rácio λ/κ deve ser superior a 4.0

Origem da linha de consolidação normal N

  • É determinada graficamente, a partir do trecho de carregamento de ensaios edométricos ou de consolidação isotrópica
  • O ensaio deve ser realizado numa amostra não distribuída - ao procurar a interseção entre a linha lambda com o eixo vertical, é possível determinar a inclinação lambda obtida a partir da amostra reconstituída (ver Figura 3)
  • Os valores mais comuns estão compreendidos entre 0.8 - 1.6

Rácio dos módulos unitário e de cisalhamento r

  • O significado físico deste parâmetro é dado pela expressão r = Ki/Gi
  • Ki corresponde ao módulo tangente unitário da compressão isotrópica, de acordo com a linha de consolidação normal
  • Gi corresponde ao módulo tangente de cisalhamento para ensaios de cisalhamento não drenados, assumindo o mesmo estado de tensão
  • O parâmetro r pode ser determinado através de um estudo paramétrico do ensaio triaxial de cisalhamento
  • Os valores mais comuns estão compreendidos entre 0.05 - 0.7

Definir o estado inicial do solo

Em argilas hipostáticas, o estado do solo depende da sua compactação, representada pelo índice de vazios. A implementação do modelo permite introduzir o volume de vazios inicial, ou atual, diretamente, ou também pode ser calculado a partir da pressão de pré-consolidação introduzida OCR. No primeiro caso, o valor e0 corresponde ao índice de vazios medido numa amostra sem carregamento, extraída de uma certa profundidade. No segundo caso, o valor ecurr corresponde ao índice de vazios de um solo carregado. Neste último caso, é necessário especificar o valor de OCR. Este parâmetro represente o rácio entre a tensão média em NCL e a tenção média inicial (ver Figura 4b).

Ao iniciar a tarefa recorrendo ao método Ko, é atribuído o estado de tensão atual ao estado de tensão inicial no início da segunda etapa. Se for adotada a análise normal para a primeira etapa (o modelo de argila hipostática é introduzido logo na primeira etapa), em que o solo é carregado pelo seu peso próprio, assume-se o valor da tensão inicial de pin = 1 kPa e verifica-se ecurr = e0. Se um material diferente (ex.: um material elástico é considerado para a primeira etapa) for substituído pelo modelo de argila hipostática, adota-se o estado de tensão inicial calculado na etapa anterior. Ao utilizar um material elástica na primeira etapa, o estado de tensão resultante corresponde aos resultados obtidos através do método de método Ko (ν é o coeficiente de Poisson).

Figura 4: Iniciação do índice de vazios - (a) através do índice de vazios inicial, (b) através do OCR

A Figura 5 demonstra que em solos normalmente consolidados, o estado para o qual OCR = 1.0 corresponde apenas a uma consolidação isotrópica, para Ko = 1.0. Se o solo experimentar um estado de tensão de desvio não nulo, o OCR correspondente para um solo normalmente consolidado é superior a 1.0. O valor exato depende dos parâmetros do solo e do percurso da tensão (o valor de Ko). A Figura 5 mostra a relação entre os valores mínimos de Ko e diferentes tipos de solos argilosos. Na Tabela 1 também constam valores particulares. Os parâmetros materiais básicos deste conjunto de solos estão listados na tabela 2.

A escolha de OCR = 1.0 para solos normalmente consolidados com Ko diferente de 1.0, dá origem a estados de tensão não aceitáveis que podem resultar na perda de convergência.

Figura 5: Relação entre OCR e o coeficiente do empuxo de terra em repouso Ko

Tabela 1: Índice de sobreconsolidação OCR dos solos selecionados em função do valor de Ko

Tabela 2: Parâmetros materiais dos solos selecionados

Deformação inter-granular

A versão básica do modelo é adequada para análises com uma direção predominante do carregamento de tensão. Para o caso de carregamentos cíclicos (carregamento-relaxamento-recarregamento), é mais adequado utilizar uma formulação que considere o conceito da deformação inter-granular. Isto permite restringir aumentos de deformações permanentes não aceitáveis, durante pequenas variações de carregamento repetitivas (ratcheting). A introdução de deformações intergranulares permite modelar a rigidez elevada, que as argilas experimentam durante as pequenas deformações. Esta opção não faz parte de nenhum outro modelo implementado no GEO MEF. O conceito das deformações inter-granulares assume que a deformação total do solo consiste numa pequena deformação de uma camada inter-granular (deformação inter-granular) e numa deformação causada pelo deslizamento mútuo das partículas. A alteração do percurso do carregamento, altera a deformação inter-granular. Ao alcançar o valor limite da deformação inter-granular, a deformação associada ao movimento das partículas.

A adoção do conceito de deformações inter-granulares implica a definição de cinco parâmetros adicionais:

  • Alcance da deformação inter-granular elástica R
  • Parâmetros mR e mT de controlo da rigidez de pequenas deformações
  • Parâmetros βr e χ de controlo do nível de degradação da rigidez com o aumento da deformação de cisalhamento

Estes parâmetros são calibrados após conhecer os dados do material do modelo hipoplástico básico.

Margem da deformação inter-granular elástica R

  • Determina o alcance da deformação intergranular máxima
  • Pode ser determinada através de um estudo paramétrico da curva de degradação G = G(εs) (Figura 5)
  • Alternativamente, pode ser considerada como uma constante independente do material R = 10-4
  • Os valores mais comuns estão compreendidos entre 2*10-5 - 1*10-4

Figura 6: Curva que descreve a perda de rigidez do módulo de cisalhamento

Parâmetro mR

  • Determina o valor do módulo de cisalhamento ao variar o percurso do carregamento no plano meridional (σm - J) para 180°
  • O rácio linear entre o parâmetro mR e o módulo de cisalhamento inicial G0 é dado por G0 = p*(mr/(r* λ*)
  • O módulo de cisalhamento inicial pode ser determinado a partir de medições da onda de propagação do cisalhamento [2]
  • Os valores mais comuns estão compreendidos entre 4.0 - 20.0

Parâmetro mT

  • Determina o valor do módulo de cisalhamento ao variar o percurso do carregamento no plano meridional (σm - J) para 90°
  • Verifica-se que mR/mT = G0/G90
  • O rácio do módulo inicial pode ser estimado a partir do rácio deste módulo para deformações mais elevadas. Os valores mais comuns do rácio mR/mT estão compreendidos entre 1.0 - 2.0
  • Os valores mais comuns de mT estão compreendidos entre 2.0 - 20.0

Parâmetros βr e χ

  • Determina o nível de degradação da rigidez com o aumento da deformação de cisalhamento
  • Pode ser determinada através de um estudo paramétrico da curva de degradação G = G(εs)
  • Os valores mais comuns de βr estão compreendidos entre 0.05 - 0.5
  • Os valores mais comuns de χ estão compreendidos entre 0.5 - 6

Bibliografia:

[1] D. Mašín, A hypoplastic constitutive model for clays, International Journal for Numerical and Analytical Methods in Geomechanics., 29:311-336, 2005.

Try GEO5 software yourself.
Download Free Demoversion.