The link was sent to your email.

We were unable send the link to your email. Please check your email.

Missing captcha code. Please check whether your browser is not blocking reCAPTCHA.

Invalid captcha code. Please try again.

Online Help

GEO5

Tree
Settings
Product:
Program:
Language:

Método ITF (Imbalance Thrust Force Method)

O método ITF é um método de verificação dos estados limite. Baseia-se na verificação da equação de equilíbrio das forças atuantes em cada bloco e não considera a equação de equilíbrio de momentos. As premissas consideradas neste método podem ser visualizadas na figura seguinte:

Fig. 1 Esquema das forças atuantes - Método ITF

Cada bloco estará sujeito às forças seguintes:

onde:

Wi

-

peso do iésimo bloco, o peso do bloco da parte inferior ao nível freático é determinado considerando o peso volúmico saturado do solo γsat

Fyi

-

carga vertical sobrante atuante no bloco

Fxi

-

carga horizontal sobrante atuante no bloco

Fi, Fi+1

-

forças atuantes entre blocos nas direções dadas pelos ângulos αi e αi+1

Fig. 2 Esquema do empuxo atuante no bloco

Ui

-

resultante do empuxo na superfície de deslizamento

UVi,UVi+1

-

resultante do empuxo nos planos divisores de blocos

As forças UVi e UVi+1 estão incluídas nas forças horizontais Fxi.

A equação de equilíbrio das forças atuantes na direção normal ao segmento da superfície de deslizamento é dada por:

As forças atuantes no segmento da superfície de deslizamento relacionam-se conforme a seguinte equação:

onde:

φi

-

ângulo de atrito interno do solo

ci

-

coesão do solo

li

-

comprimento do segmento da superfície de deslizamento associado ao iésimo bloco

A equação de equilíbrio de forças na direção do itésimo segmento da superfície de deslizamento (considerando um ângulo αi) permite obter a força Fi atuante entre blocos:

Introduzindo as Equações (1) e (2) à Equação (3) obtém-se:

que pode ser desenvolvida de forma a obter a seguinte equação:

A condição de equilíbrio fica completa com a introdução do fator de segurança FS na análise, dividindo as características do solo c e tanφ por este valor:

A partir da Equação (5), é possível obter o fator de segurança FS desejado através de um processo iterativo. Este processo desenvolve-se de forma a que a força Fn igual a 0 kN seja aplicada no ponto mais elevado (final) da superfície de deslizamento. As forças Fi atuantes entre blocos são determinadas para um dado fator de segurança FS obtido a partir da Equação (5). Este passo é repetido para vário valores de FS até que se obtenha um valor de FS que permita que a força F0 atuante na base do talude seja igual a 0 kN. Não é assumida nenhuma tensão na superfície de deslizamento. Caso a condição de equilíbrio implique que o valor da força normal Ni seja negativo, o que significa que o solo está carregado à tensão, então o valor desta força é definido como zero na iteração seguinte e a força de cisalhamento Ti atuante num dado segmento é determinada apenas com base na coesão do solo.

O método ITF é muito sensível quanto à forma da superfície de deslizamento. Se a superfície de deslizamento apresentar segmentos com descontinuidades acentuadas, o fator de segurança resultante será mais elevado do que a situação real. Recomenda-se que a diferença na inclinação de segmentos consecutivos da superfície de deslizamento seja inferior a 10°. Isto será verificado automaticamente pelo programa e se esta diferença for superior, o programa emite uma mensagem de aviso a alertar que os resultados poderão estar sobrestimados. Isto não é um problema no caso de superfícies de deslizamento circulares, mas deve ser considerado no caso de superfícies de deslizamento poligonais.

Método ITF - solução explícita

A solução explícita do método ITF apresenta uma forma alternativa para a introdução do fator de segurança na análise. A solução matemática não implica iterações e o fator de segurança resultante é calculado diretamente. Com esta aproximação, o fator de segurança obtido é, normalmente, mais elevado do que a situação real, sendo que esta solução poderá ser desvalorizada, especialmente em casos de superfícies de deslizamento poligonais com grande variância na inclinação entre segmentos consecutivos.

A solução consiste na introdução do fator de segurança FS à Equação (4), de forma a que as componentes ativas das forças sejam multiplicadas por este fator, isto é, as componentes que atuam na direção do deslizamento. Assim, o equilíbrio das forças pode ser escrito da seguinte forma:

Para clarificar, a componente das forças ativas serão apresentadas como:

e a componente das forças passivas como:

e, ainda, a seguinte função auxiliar:

A Equação (6) pode, então, ser escrita de forma simplificada:

O próximo passo consiste na introdução da força conhecida Fn=0 de modo a ser possível escrever as seguintes expressões para as forças atuantes entre blocos F:

Etc….

Uma vez que a força atuante no ponto de origem inferior da superfície de deslizamento deve ser igual a 0 kN, obtém-se a expressão final para o cálculo do fator de segurança FS:

Try GEO5 software yourself.
Download Free Demoversion.